Bom dia a todos.

Venho por meio desta lembrar que todos somos irmãos.

Meus amados, sabemos que há muito a se realizar neste planeta Terra.

Vamos refletir um pouco sobre o lado financeiro. Minha primeira mensagem deste blog foi sobre a mediunidade gratuita.Como louvo a presença dos Médiuns que enfrentam suas dificuldades pessoais e também se dedicam a mediunidade gratuita.

Num mundo onde tudo tem um preço acredito que o que é de graça é muito importante; Não é um trabalho menor que os outros e o seu resultado não é menos incrível.

Soube de uma estatística sobre saúde que as pessoas tendem a melhorar com os remédios mais caros, pois como um Placebo elegante e extravagante, produz o efeito que a pessoa deseja do medicamento. O que tenho a dizer e a comparar com a vida no corpo físico é que estamos comandando um imenso e caro Placebo que é encarnar como um remédio para o nosso espírito. Recebemos a vida de graça e ela tem valor! Não desperdicemos esta oportunidade de nos curarmos de melhorarmos a nós e aos que nos rodeiam. Paz.
Helder Camara


As memórias que passam
Todos nós temos lembranças que nos são caras. Recordações que nos fazem bem somente que o que relembramos está no passado e não dá para se viver de águas passadas.

Assim, para cada boa lembrança,

que venha novo ânimo para recomeçar

com alegria e entusiasmo.

Paz!

Helder Camara

Anúncios

O Burro sob a sombra

Aqui vou eu para mais uma florzinha no jardim da nossa querida Terra.

Havia um jumentinho por nome Zé que fazia seu trabalho carregando a carga de uma carroça. Ele vivia assim tranquilo sabendo o que faria a cada dia de seu viver. Obedecia como sabia o seu patrão – que trazia a nossa personagem principal deste conto com rédeas curtas.

Um belo dia o Senhor deste quadrúpede foi cumprimentar o seu compadre e conversaram sob a sombra de uma árvore Sete Copas.

-“Sabe , Manuel, este meu burro é meio estranho. Mesmo quando trabalha duro durante o dia a puxar esta carroça , ao fim do serviço o amarro aqui nesta sombra . Mas, o coitado não fica quieto. Faz questão de deixar o rabo no sol.”

Manuel riu a beça porque o Burro Zé havia cumprido um ditado muito certo porque um animal na sombra com rabo no sol só podia significar que o burro intuía que tudo tem um fim e estava por temer a morte.

O dono do Burro Zé se assustou porque aquele bicho sabia mais que ele da vida.

Foi-se o Burro Zé para o além, assim também o amigo Manuel e seu Senhor.

E você, querido leitor?

Como anda seu dia? Gosta de sombra e água fresca? Ou está a se preparar para o além?

Helder Camara

O que a traça não corrói

Salve a Pátria amada Brasil, nesta comemoração do aniversário da Independência!

Eu venho escrevendo e parece que estou rodando em círculos.

A história não se repetirá, mas o tempo e os fatos ocorridos marcam nossas vidas e nem sempre aprendemos o que deveríamos.

São muitas idéias que vêm me tomando a atenção como Espírito.

“-Dom Hélder, no plano espiritual também se tem minhocas na cabeça? Fervilham pensamentos e planos?”

“-Digo que há minhocas e caraminholas nas cabeças e taças a corroer o mais duro linho.”

Amigos, a arte como a vida pedem que nos atenhamos ao essencial. A Esperança e a Paz para mim são temas que não posso deixar de dedicar refinado esmero em refletir e praticar.

Como aqueles monges que dedicam o tempo precioso de uma festa religiosa a colocar toda sua arte em fazer mandalas de areia. E, depois , tudo se desmancha com o ar.

Mas, a experiência, a devoção, a atenção e o ser estão mais fortalecidos.

Sim! Somos capazes de fazer muitas e belas coisas.

Se fico aqui pensando e refletindo, não deixo de agir proficuamente.

Ah! Quero contar agora a história da Traça Manuela que queria ser piloto de avião.

Manuela ficara agitada sempre que o capitão fazia a faxina em seu armário de fardas.

Ele ficava a borrifar essência de plantas aromáticas para afugentar as traças que roíam seu uniforme militar.

Como o sonho deste animalzinho estranho era voar pelo céu azul, Manuela teve a idéia de se esconder no traje de gala, dedicado a momentos especiais.

E qual não foi a sua alegria quando se deparou com a aeronave que povoava seus pensamentos  de traça sonhadora.

“-Olha, é aqui neste avião que os homens voam nos céus!” – Manuela viu que seu Capitão subia num destes aviões e tomou os céus a fazer lindas piruetas e desenhos com um tipo de fumaça que saía das naves e pareciam estar escrevendo no céu.

A nossa traça amiga não voou com seu Capitão, mas realizou  um sonho diferente do que ela idealizara.

Agora era uma traça que viu o lindo manto azul do céu bordado pelas mãos humanas.

Foram os desenhos esvaecendo aos poucos, a roupa do Capitão ficou carcomida, a traça um dia retornou para a transformação natural de todo ser vivente , mas esta história ficará eternizada para os que dela fizeram parte.

Paz!

Helder Camara

 

A proliferação do bem

Foi num dia 27 que parti da vida física e entrei na vida definitiva.

Meus irmãos, faz aniversário de meu desencarne. Foi no mês de agosto. Mês da vocações.

O chamado de Deus para mim foi ininterrupto. Por que tantos se recordam de meu nome? Por que será que temos tanto a agradecer a Deus pela vida longa e feliz?

Eu creio na vida eterna. Sim! A vida não acaba jamais. Somente que se transforma tanto quanto são as realidades que precisamos conhecer e experienciar.

Dom Hélder. Assim ma chamavam. Nasci para ser o padre. Aquele que ora e trabalha pelos irmãos.

No meu entendimento, ser padre é ser o outro Cristo para aquele que passa na estrada da vida. E a preferência de Jesus Cristo, Nosso Senhor, é pelos pobres.

Assim vivi, servindo a Deus na pessoa do mais necessitado. E, não é diferente agora.

Não sou o Pai Abraão que vai ter como os fiéis em mundos distintos. Sou um  ser simples que procura ser coerente com o que recebeu de mais precioso.

O amor é para ser doado.

Nisto não há como refutar a verdade premente do Deus-Conosco.

Há muito o que fazer e neste ‘descanso eterno’ digo que o Pai trabalha em todas as moradas, o Cristo também. E nós vamos correndo atrás do prejuízo de tantas horas preguiçosas da existência.

Vamos ao trabalho. Recordar é bom. Mirar o futuro é essencial.

Viva a Vida!

Helder Camara

Quem é Jesus?

Santa CruzHoje venho responder a uma questão inicial para qualquer vocacionado que se questiona sobre o sentido da vida e o que fazer para ser feliz na sua vida.

O Evento Jesus Cristo é um marco na vida do planeta Terra.

Sabemos que Deus, nosso Pai-Criador é o responsável pela nossa existência física, bem como a espiritual. Somente que atualmente vemos como em um espelho, quer dizer, ainda compreendemos parcamente o que venha a ser existir como espírito, como encarnados, como criaturas amadas por Deus.

Jesus nos diz que somos deuses no sentido de termos a centelha divina em nós.

E a criação geme até os dias atuais com em dores de parto.

Sim. Somos estes seres ainda ignorantes de nossa verdadeira natureza.

Um dia chegaremos aonde está o nosso Mestre e poderemos dizer com a mesma intenção que o Cristo em sua prece que chamava a Deus de Abba: Paizinho.

Ainda ressoa nos confins dos países uma imagem equivocada de Deus. Um deus criado a nossa imagem e semelhança é um arremedo de nossa falhas e equívocos.

Seguir Jesus de Nazaré requer um entendimento que passa pela ação. E o seu mandamento é o Amor com desdobramento – Amar a si e ao próximo como se amaria a você mesmo.

Quem é Jesus?

Que é Jesus?

Longe de querer colocar o Messias , o nosso Caminho Verdade e Vida como uma coisa ao formular esta pergunta, sabemos que sua resposta não está enclausurada em raciocínios, tão pouco em leis ou dogmas.

Este conhecimento está no outro: aquele caído pelo caminho vítima de assaltantes. E ainda aqueles que são os menores do Reino de Deus e que passaram por muitos sofrimentos. Quem não tem erros na vida pode se aventurar a catar pedrinhas para atirá-las.

Por enquanto, sou um desses engraçadinhos que teima em escrever na areia! Paz!

Helder Camara

Um papel difícil

Já havíamos comentado sobre nossa intenção de proferir alguns pensamentos sobre honestidade.

Dizemos com toda razão que há muita corrupção ao redor do poder, pois, a busca incessante de vantagens e enriquecimento material leva ao esfriamento da caridade.

Contudo, a medida que entendemos a importância do plano espiritual em nossas vidas, fica claro como ainda estamos longe de praticar o bem incondicionalmente.

Os pais buscam o que há de melhor para seus filhos e eu acredito na importância do exemplo a que seguir.

Sim, porque almejamos um ideal alto e as nossas ações necessitarão respaldar o que acreditamos ser mais importante. O que seria honestidade ? Seria algo semelhante a sinceridade?

Talvez. Mas ,quando se ama, o ser honesto se torna crucial. Pois mostramos o que somos e, com um pouco de convicção, sabemos que o valor do que é alheio passa pelo respeito às leis e normas sociais em que se vive.

Venho trazer a importância da comunicação honesta. O diálogo ainda é um desafio para os humanos. Por isto dizemos que o diálogo é a arte de se entender, pois falamos- somos escutados e escutamos. A conclusão ou síntese deveria ser a plenitude de uma compreensão ampliada da vida e do caminho a percorrer.

Por isto trago o exemplo de honestidade vinda do jovem Jesus de Nazaré:

Quem é Jesus?

A prudência da serpente Paloma

Hoje contarei a história de uma cobra muito venenosa que se chamava Paloma.

A Cascavel vivia num sítio distante, local de pouca água, clima agradável, porém, muito seco no inverno. Era uma terra chamada Minas Gerais.Paloma gostava de se fartar se enroscando num pé de Gabirova.

Certo dia ao chegar próximo a uma queda d’água a nossa amiga rastejante encontrou um ser humano cruzando seu caminho. Horrorizado, Plínio gritou para o grupo que vinha logo atrás-“Cascavel!”

Paloma olhou para trás assustada.

-“Que será cascavel? Deve ser algo muito perigoso.”

Paloma ao perceber que todos se afastaram ficou aliviada, porque – assim pensava a víbora de choqualhos: esta tal cascavel deve ser muito má para que o ser humano a tema desta maneira.

Curiosa, nossa amiga balançou o rabo ruidosopara avisar de sua passagem. Qual não foi o seu susto ao perceber que atal cascavel era ela.

Paloma não se deu por venciada pela decepção.

Ora, aqueles que abusavam da sorte e passavam pelas terras para se banharem na cachoeira é que deveriam sentir-se os piores seres da terra. Mas, Não! Eram as pessoas que se julgavam merecedoras e donas daquele lugar. as cobras e outros animais e insetos seriam somente estourvos para o seu lazer.

Muitas tragédias poeriam ser evitadas se parassem de perseguir e exterminar aqueles seres curiosos que chamamos de cobras.

Paloma qiueria paz, porém, sua intenção era fazer a diferença num munod escravisado pelas apar~encias.

Saiu com o guizo ruidoso a declarar em alto e bom som:

-“A natreza me deixou um presente, todos me conhecem como cascavel.”

De hoje em diantefarei jus ao que recebi e avisarei a distância par aque não se aproximem muito, pois, estou por perto.

Assim, caros amigos , ao se depaarem com situaçãos extremas, lembrem-se de fazer barulho, aquele que não irrita, mas avisa!

A vida como dádiva é mais forte que todos os medos, entraves e decepções.

Paz, Shalom!

Helder Camara

O lixo e o fogão

FronteirasHá poucos dias refletia sobre a fogueira nas festas juninas.

Hoje quero refletir sobre o lixo. Quantas vezes ouvia o gemido sofrido dos meus amigos e irmãos catadores de papel reciclável.

Pois, bem. O lixeiro é bem visto porque ele traz o alívio a todos da cidade daquilo que é refugo.

Agora, o catador nem sempre é bem-visto. Andar sol a sol para conseguir o peso do seu material arrecadado com o suor do rosto e muita andança.

Quanto tempo e energia para conseguir uns centavos pelos plásticos, metais e papéis que ninguém mais queria.

Hoje há as cooperativas, a intenção de lixeiras seletivas, para que se evite perder matéria-prima.

Mas, acontece que a maioria dos que buscam seu sustento ou uma renda a mais catando e ajuntando material reciclável, quer mesmo é colocar comida na mesa. Ou, então, comida na barriga.

A fome é infalível.

Mais cedo ou mais tarde todos teremos fome de algo. Se não é alimento, é fome de saber, fome de amor, fome de conquistas, e por aí vai.

Aqui, então, entra o fogão. Grande invenção para a humanidade. Poder cozinhar alimentos. Exercer a alquimia de transformar grãos, carnes e muito mais em algo tão importante para a nossa alimentação. Como é gostoso uma comida quentinha, não é?

Um doce feito com carinho naquele fogareiro e cozido bem ; sem pressa.

Amigos, não desperdicemos tempo nem energia em procurarmos soluções para a nossa vida , bem como para a vida da nação brasileira.

Busquemos inspiração nestas duas realidades: a fome e a falta de alimentos.

Não é hora de desistir nem de se entregar ao desanimo.

Lutemos pelo nosso irmão que necessita de apoio para que tenha vida digna sobre a Terra.

Que saibamos partilhar do produto de nosso fogão.

Que as sobras e materiais recicláveis tenham um destino digno e assim também  os recicladores, nossos irmãos.

Paz!

Helder Camara

Boa noite!

Hoje, uma quinta-feira, oito de junho de 2017. Quero agradecer ao Bom Deus a dádiva de consciência.

Não serão necessárias muitas palavras para definir a nossa existência. Porém, o viver e o morrer carregam ensinamentos valiosos e que não cabem numa só experiência.

Há muitas moradas na casa do Pai, e hoje eu venho refletir sobre a casa.

Onde seria uma casa para nós? Na beira do mar? Na montanha? Na floresta? Numa metrópole? Num condomínio fechado?

Ou, talvez, a casa seja o trecho, um papelão improvisado? A porta da igreja?

Hoje quero dizer sobre uma notícia chocante. O que será, Dom Hélder? Mais uma para a coleção de más notícias da atualidade?

Hoje, esta decidido a falar sobre honestidade e prudência. Porém, no meio do caminho…

Não é o que pensam…Não ousaria para frasear o Poeta.

Porém, o que me espanta é a consequência de um ato impensado.

O que faz um ser humano tirar a vida de outro ser humano?

é de se pensar que dizíamos que é necessário acabar com a pobreza. Mas, o pobre como toda criatura, merece a promessa do Messias:

“Vida e vida em plenitude!”

O homem morto na porta da igreja não teve vida nesta vida. Afinal, estava sem-teto. Mas casa?! Ah! Ele tem! O mundo chamado planeta Terra era a sua casa. A vida em plenitude ele a tem agora, em espírito: Vida em abundância!

Sim, queridos irmãos! A mesma fachada da igreja em que há poucos dias se celebrava o Pentecostes, onde fiéis passaram pedindo os sete dons divinos, foi a parte que coube ao irmão desfalecido e inerte de corpo. Mas seu espírito está a contemplar a maravilha do lado de cá da vida.

São sete os dons em plenitude.

Pedimos ao querido Senhor Jesus Cristo que auxiliemos na obtenção daquele dom cuja carência nos oprime neste mundo.

Senhor, um nosso irmão saiu às pressas desta casa que o Senhor deixou por herança a humanidade. Ainda somos cativos de tanta ignorância, pois queremos felicidade onde não podemos obtê-la. Sabemos que reserva a todos a morada digna de nos receber conforme nossas obras. e quão escassas são elas! Ainda não sabemos partilhar, Jesus amado! Misericórdia!

A Casa de Deus e o “Adorar em Espírito e Verdade” ainda nos são desconhecidos.

Sabemos dos seus mandamentos, das leis divinas, mas somente trazemos as mãos vazias e, às vezes, mortas e paralisadas para a boa ação.

Maria, Mãe amorosa e dadivosa, sê-nos o amparo nesta hora!

Helder Camara